Sobreviventes de COVID-19 demandam uma reabilitação específica

COVID-19 é uma nova doença infecciosa respiratória causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), de alta transmissibilidade, que pode determinar várias disfunções. Já acometeu até hoje mais de 6.600.000 pessoas no mundo, com 390.000 mortes (5,9%). Indivíduos de todas as idades podem ser infectados. Os idosos e aqueles com doença pré-existente (cardíacos, diabéticos, asmáticos e outras) parecem mais vulneráveis a desenvolver a forma crítica da doença e são tratados em terapia intensiva.

A necessidade de reabilitação dos sobreviventes da doença grave pós COVID-19, não deve ser ignorada, mesmo estando ainda em franca situação de pandemia com esforços voltados para o tratamento hospitalar.

Em linhas gerais, os pacientes que apresentaram a forma grave da COVID-19, evoluem com sequelas similares aos pacientes após doença crítica como sepse, com permanência prolongada em terapia intensiva. Podem ainda apresentar uma variedade de complicações associadas à doença viral.

Cada paciente deve ter um plano de reabilitação multiprofissional, de acordo com as sequelas e o momento da alta. Estima-se ser necessário um período de 6 semanas para reabilitação funcional, respiratória, neuropsicológica, para melhora da qualidade de vida e mobilidade.

O imobilismo é longo, com problemas físicos específicos que incluem severa fraqueza muscular e fadiga, rigidez articular, prejuízo na verticalização do corpo, no equilíbrio e na marcha. É previsível dificuldades nas tarefas do dia a dia e no trabalho.

A reabilitação física e da mobilidade deve incluir amplitude nos movimentos articulares, testes de força e equilíbrio. Exercícios de membros ativos devem ser acompanhados por progressivo fortalecimento muscular. Programas com séries (1 a 3) por grupo muscular com 8-12 repetições cada, com intervalo de 2 minutos de repouso entre as séries, 3 sessões por semana por 6 semanas. Recondicionamento aeróbio pode ser feito com caminhadas ou esteira ergométrica, com progressão lenta até 20-30 minutos, 3 a 5 vezes por semana.

A reabilitação respiratória na fase pós-aguda é fundamental, com treino para fortalecimento da musculatura respiratória. Respiração lenta e profunda, expansão da caixa torácica com elevação dos ombros, respiração diafragmática, mobilização dos músculos respiratórios, técnicas de clareamento de via aérea e até dispositivo de pressão expiratória positiva pode ser indicado. Programa com pelo menos 2 sessões de 10 minutos de reabilitação respiratória por semana, por 6 semanas é benéfico. Respiração curta, saturação <95%, temperatura >37,20C, fadiga excessiva, dor torácica, tosse severa, cefaleia, taquicardia >100bpm, tontura, sudorese, alteração da pressão arterial devem ser monitorados e comunicados a equipe médica.

O comprometimento neuropsicológico nesses doentes é comum. Estudo chinês mostrou elevada frequência e em graus variados de desordens do sono (96%), ansiedade (93%) e ataques de pânico (90%) após a alta. Eventos neurológicos secundários podem ocorrer em 6 a 36%, e envolvem sistema nervoso central ou periférico, seja por migração cerebral do vírus ou síndrome respiratória grave com longa permanência em UTI. Destacam-se AVC isquêmico, tremores, encefalopatia, e mio e neuropatia após doença crítica com possibilidade sequelas persistentes.

A dificuldade de deglutição pós intubação oro traqueal prolongada pode ocorrer em 50 a 90% dos casos, com indicação de mudar consistência dos alimentos ou manter a dieta por sonda enteral até completa reabilitação da deglutição ou de ingestão oral adequada. A desnutrição é frequente na fase de reabilitação, seja pela redução da ingestão oral por sintomas gastrointestinais prévios, inflamação e imobilização prolongadas ou patologias crônicas. Subestimar a importância da nutrição em pacientes com COVID-19 é um erro que pode afetar negativamente os resultados na fase aguda da doença e na reabilitação.

Ao lado da reabilitação por especialistas no domicílio ou centros de reabilitação, opções como tele monitoramento ou tele reabilitação podem ser adotadas. O distanciamento social ou confinamento, ao lado de recursos médicos multiprofissionais alocados preferencialmente nos hospitais, podem comprometer a restituição da saúde aos pacientes sobreviventes da COVID-19 grave, da mesma forma que tem atrasado o tratamento das doenças como câncer, diabetes, doença cardiovascular e outras.

Estas novas questões devem merecer atenção, consideração e reflexão.

Compartilhe esta página
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on whatsapp
Ultimas publicações

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.

Iniciar conversa
1
Posso Ajudar?
Seja bem vindo ao Ganep Lar! Este canal deve ser usado para contatos comerciais e assuntos administrativos em horário comercial , e nos dias úteis. Caso queira falar de assuntos referentes a urgências ou emergências, entre em contato com o nosso plantão 24h, no (11) 3171-3044.